Um carrinho de avião para chamar de meu

Antes de mais nada, deixa eu contextualizar. Durante muitos anos meu pai trabalhou no ramo da aviação. Quando eu era criança, minha mãe trabalhou em uma agência de turismo. Essas duas coisas combinadas significavam que todas as férias eram sinônimo de viagens. Eu não lembro quando foi a primeira vez que eu pisei o pé num avião, mas sei muito bem que foi cedo. Em muitas das viagens eu era tão nova que mal consigo lembrar os detalhes.

Com 11 anos fiz minha primeira viagem internacional e adorei. Fui para Portugal com meus pais e finalmente tive um pouco mais de noção a respeito de quão grande e diferente é o mundo. Lembre-se que naquela época a internet não era tão desenvolvida quanto hoje e só via o mundo que saía para vê-lo. Ele existia em revistas, livros, guias e enciclopédias, mas não era tão exposto como eu acho que ele é hoje.

Depois disso fiquei vários anos sem viajar por conta de grana e só voltei a bater as asinhas com 21 primaveras. Eu me apaixonei de novo pelo incrível ato que é viajar. Hoje é seguro dizer que essa, junto com a dança, é minha maior paixão de vida. E, para minha grande sorte, encontrei no meu namorado o companheiro de viagens perfeito. Dividimos essa paixão e logo no primeiro ano juntos fizemos 4 viagens importantes, sendo duas internacionais, fora as viagenzinhas de final de semana para a praia ou para o sítio. Pode não parecer nada absurdo perto de tantas histórias de volta ao mundo que invejamos acompanhamos hoje, mas lembre-se que estamos falando de duas pessoas que trabalham em tempo integral e possuem apenas 30 dias de férias por ano.

Um pouco antes do nosso aniversário de namoro, mostrei para ele algo que sonhava ter na minha futura casa. Um carrinho de avião, transformado em barzinho que eu postei aqui no blog há quase dois anos.  Não é que quando eu cheguei na cozinha da minha casa no dia do nosso aniversário de namoro eu dei de cara com isso aqui?

IMG_1300

Eu nem acreditei! Um carrinho original da Varig todinho nosso. Eu fico só imaginando o trabalho e o custo que ele teve para realizar esse sonho meu. E o mais gostoso foi ouvir dele que a princípio ele não tinha gostado da ideia, mas que agora está empolgado. Esse meu namorado não precisa de avião para me deixar nas nuvens…

Agora é começar a planejar a reforma e aproveitar todo o potencial dessa belezinha. Aguardem cenas dos próximos capítulos. ;)

3 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *