Galerias Romanas de Lisboa, o passeio que só acontece duas vezes por ano

Nós já havíamos ouvido falar de um passeio subterrâneo que acontece em Lisboa apenas em um ou dois períodos específicos do ano, mas foi um colega brasileiro do meu marido quem nos confirmou a existência das Galerias Romanas de Lisboa e a dificuldade de conseguir ingresso para conhecê-las.

Por sorte, ao sair do trabalhoum dia, vi no celular a notícia de que o período de visitação deste ano havia acabado de ser confirmado e as vendas estavam abertas para apenas três dias do mês de setembro. Corri para o site para reservar quatro bilhetes, número máximo permitido por pessoa, e recebi um e-mail informando que eu teria três dias para ir pagá-los e retirá-los no local que eu havia escolhido no momento da reserva, senão perderia o lugar. Sorte que fui rápida: no dia seguinte pela manhã já estava de fato tudo esgotado.

O valor é praticamente simbólico, 2€, e acredito que é cobrado mais para fazer as pessoas se deslocarem para buscar o ingresso, garantindo assim que menos gente reserve lugares e não apareça no dia. Os pontos de retirada eram o Teatro Romano, o Palácio Pimenta ou o Museu de Lisboa. Um amigo foi fazer a retirada e pagamento dos ingressos no Palácio Pimenta e, chegado o dia, lá fomos nós para a esquina da Rua da Conceição com a Rua do Coreeiros, onde tínhamos que chegar 15 minutos antes do nosso horário e esperar em uma pequena fila.

A entrada já é inusitada pois descemos até as galerias através de, literalmente, um buraco no meio da Rua da Conceição. Cada grupo tem cerca de 25 pessoas, a visita dura por volta de 20 minutos e é guiada por um representante do Museu de Lisboa que explica sobre a descoberta das galerias e sua possível utilização no período romano.

Entrada galerias romanas de lisboa
A entrada nas Galeria Romanas é, literalmente, um buraco no meio da rua.

 

As Galerias Subterrâneas da Rua da Prata

Como a própria guia salientou diversas vezes, existem mais dúvidas do que certezas quanto às galerias. Hoje, o mais aceito por grande parte dos arqueólogos é que as Galerias Romanas da Rua da Prata, descobertas em 1770, são criptopórticos, estruturas que servem de base para grandes construções, uma vez que o subsolo da parte baixa da cidade tem pouca consistência, por estar em uma zona litorânea.

Entrada das galerias romanas da Rua da Prata, Lisboa.
E lá vou eu!

A parte que sobreviveu ao tempo foram apenas poucos metros de túneis abobadados, já com algumas partes visivelmente alteradas em épocas posteriores à romana, quando a região era chamada de Olisipo, importante cidade da Lusitânia. É possível que as galerias se estendessem por uma extensão muito maior, suportando algum importante edifício público, mas grande parte desapareceu na recontrução de Lisboa após o terremoto de 1755.

Visita guiada às galerias romanas de Lisboa
A guia usa botas pois a água não para de entrar. Mas os visitantes conseguem pular as áreas molhadas.
Interior Galerias Romanas da Rua da Prata
Galerias romanas de Lisboa: eu fui! :)

Uma rachadura nas galerias faz com que elas fiquem cheias de água e, justamente por isso, só é possível visitá-las duas vezes ao ano, quando a água é bombeada para fora, e a estrutura é aberta para visitação do público.

Foto Galerias Romanas durante visitação
Parte das galerias: a área descoberta não é extensa e o passeio é rápido.

 

Vale a pena visitar as Galerias Romanas de Lisboa?

Por todo seu valor histórico, pela cena inusitada de descer de lado em um minúscula escada no meio da rua e por sua disponibilidade tão reduzida de visitação, vale muito a pena sim ficar de olho nas datas de abertura das galerias para realizar esse passeio caso esteja na cidade na época. É rápido, interessante e bastante único.

Galerias Romanas da Rua da Prata, Lisboa.

 

2 comments

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *